Vírus tem ideologia política? Pesquisa alega que protestos Antifa não aumentaram casos de covid-19

Pode até parecer uma piada de mau gosto, mas uma pesquisa desenvolvida pelo Bureau Nacional de Pesquisa Econômica dos EUA e veiculada na rede de televisão norte-americana CNN apontou que não há evidências que comprovem o aumento de casos de Covid-19 em mais de 300 cidades que tiveram protestos antirracismo do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Impotam).

O atos foram marcados por violência e atos terroristas, além de aglomerações hipocritamente chancelados e endossados pela grande mídia internacional e brasileira.

Parece conveniente que, após alarmarem a população e condenarem copiosamente manifestações em prol do governo, surja prontamente um estudo cujo objetivo seria blindar as manifestações ideologicamente aceitas pela grande mídia e intelectuais progressistas de quaisquer críticas ou acusações de que estariam praticando aquilo que condenaram por supostas motivações altruístas de preocupação com a saúde pública.

A grande mídia e todos os setores do establishment condenaram efusivamente toda e qualquer aglomeração, insuflando um estado paranoide generalizado em que os próprios cidadãos denunciavam aglomerações de cinco pessoas dentro de um ambiente privado, além de alertarem para a negligência do Presidente em sair às ruas para ouvir o clamor popular e acusarem as manifestações de apoio ao governo como manifestações hediondas e transgressoras da saúde pública nacional.

Após todo esse teatrinho hipócrita regado à indignação seletiva, novos protestos contrários ao governo que aglutinaram guerrilheiros e membros de torcida organizada envolvidos com facções criminosas sugiram e já contaram com a chancela imediata da mídia, que não mediu nenhum esforço para neutralizar a parcialidade de tratamento configurando esses violentos protestos e aglomerações como “manifestações pela democracia”, mesmo com inúmeros atos de vandalismo, agressões físicas, bombardeios, depredação de patrimônio e cartazes conclamando pela ditadura do proletariado.

Com a cara de pau que lhes é característico, em nenhum momento foi levantado a hipótese de que tais aglomerações seriam extremamente nocivas à saúde pública com potencial risco de contágio ainda maior nas cidades – conforme denunciaram efusivamente contra os protestos pró-governo. Muito pelo contrário. Em nenhum momento a preocupação virtuosa e a pose de monopolização das virtudes foram acionadas para direcionar críticas angelicais imbuídas de superioridade moral contra aglomerações virulentas que claramente atentariam contra a saúde sanitária do país.

Esse cenário de hipocrisia foi a prova cabal de que os setores dominantes das massas jamais se preocuparam com a saúde pública, e sim com o controle do fluxo de pensamentos e a monopolização pela modulação do imaginário coletivo contra um inimigo político específico: o recém-nascido movimento conservador e o Presidente da República.

O estudo teve que ser publicado e propagado pela mídia para cair como uma luva para aqueles que necessitavam de justificação e blindagem contra a evidente hipocrisia latente da esquerda demagógica e os grandes setores da mídia. Embora o estudo não faça o menor sentido, a mídia age com a maior cara de pau para justificar seus sórdidos meios de boicote contra apologistas da liberdade e conservadores que alertam sobre as ações arbitrárias estatais e déspotas locais que suprimem direitos fundamentais básicos.

Seguindo o raciocínio tresloucado desse novo estudo feito pelo Bureau Nacional de Pesquisa Econômica dos EUA e veiculada na rede de televisão norte-americana CNN, seria então o corona vírus imbuído de ideologia política anti-conservadora? Ele só age em contaminação convenientemente em protestos em prol do governo, mas resolve dar uma pequena pausa na sua manifestação biologicamente natural, visando o teor dos protestos envolvam agendas culturais progressistas, violência e depredação de patrimônio público?

O que é mais importante para a grande mídia e a cúpula de progressistas burocratas é encontrar os meios retóricos para abafar a latente hipocrisia dialética inerente à estrutura de pensamento da esquerda, e, desse modo, agir politicamente contra seus adversários ideológicos.

*ConexãoPolitica